quarta-feira, 31 de março de 2010

Samba, Literatura e Polissemia...


Quanto mais vivo, mais gosto de samba.


Fim de semana passado assisti ao show da cantora Aline Calixto; fantástica....sou muito fã da moça, desde a época em que ela tocava no Leão, como uma pobre "mortal" (apesar de que, quando cheguei aqui em Viçosa, Aline já tinha uma boa projeção e preparava-se para alçar vôo...).

Aproveito este pequeno-micro post (porque está tudo muito corrido, mas hei de voltar a escrever meus devaneios muito em breve...) para colocar aqui uma música que tem feito a minha cabeça esses dias; trata-se de um salmo, na verdade...um salmo tão bonito quanto os "Davinianos", só que numa roupagem mais moderna e popular, em que o pandeiro e a percussão substituem a harpa e os demais ornamentos....

Falo da música "Disritmia", do Martinho da Vila....uma das letras mais belas que já ouvi.....de ficar arrepiado, tal qual uma oração. Conhecem?? Tá mais que explicado o porquê da indicação do "senhorzinho" velho e bom malandro para possível membro da "Acadmia"Brasileira de Letras...

Eu boto fé!!! isto é a popularização da academia...melhor do que tantos outros que lá estão...

...Quem disse que samba não é arte?

Esta música, além de tudo o que já disse, me lembra , não sei porquê, um amigo que é apaixonado por samba..."taí" a dica, leitores!!
No mais....a vida segue correndo contra o tempo. Este feriado devo ficar em casa, experenciando uma espécie de auto-evento literário caseiro: obras e críticas para ler, trabalhos a serem feitos, filmes para assistir...(desde Almodóvar, passando por Bodas de Sangre, chegando a Poderoso Chefão...). Sem contar o Saramago que me espera ansioso, ora pois.....

Sim leitores, felicidade é uma palavra polissêmica....



Disritmia
(Martinho da Vila)


Eu quero
Me esconder debaixo
Dessa sua saia
Prá fugir do mundo
Pretendo
Também me embrenhar
No emaranhado
Desses seus cabelos
Preciso transfundir
Seu sangue
Pro meu coração
Que é tão vagabundo...


Me deixe
Te trazer num dengo
Prá num cafuné
Fazer os meus apelos...
Eu quero
Ser exorcizado
Pela água benta
Desse olhar infindo
Que bom
É ser fotografado
Mas pelas retinas
Dos seus olhos lindos
Me deixe hipnotizado
Prá acabar de vez
Com essa disritmia...


Vem logo
Vem curar teu nego
Que chegou de porre
Lá da boemia...


Eu quero
Ser exorcizado
Pela água benta
Desse olhar infindo
Que bom
É ser fotografado
Mas pelas retinas
Dos seus olhos lindos
Me deixe hipnotizado
Prá acabar de vez
Com essa disritmia...


Vem logo
Vem curar seu nego
Que chegou de porre
Lá da boemia...


Me deixe hipnotizado
Prá acabar de vez
Com essa disritmia...
Me deixe hipnotizado
Prá acabar de vez!

segunda-feira, 22 de março de 2010

Ele é terrível: 5.9 com charme de 4.0....

Hoje é Aniversário do meu Pai: Seu. Raimundo José Bijos de Freitas.

Meu pai é, sem dúvida, uma das pessoas mais importantes da minha vida....é com ele que aprendi uma série de valores que formaram a parte "boa" do meu "eu-Amanda": a importância da amizade, de se doar pelo outro, de acolher o diferente; falta muito para eu compreender a tamanha gratuidade com que meu pai é capaz de amar e de viver pelo outro, mas a gente vai tentando...ainda falta um tempinho para eu chegar nos meus 5.9, isto é, tenho uma vida para aprender......

Há coisas nele as quais não herdei, infelizmente (devo ter puxado a minha mãe nesse quesito): a persistencia para o trabalho, a objetividade, disciplina, inteligência, coerência, ética, carisma...

Outras, contudo, reconheço em mim: um certo mau humor crônico, uma cara de gente brava (mesmo não o sendo...), jeito de falar alto e desmedido; as expressões "você é surdo?", ou ainda, "você acha que eu sou adivinhão?"; o jeito irritante de abrir a porta dos quartos...a irritação provocada por falta de pontualidade (apesar d'eu não ser pontual), pela falta de palavra, pela falta de atenção....pela falta de "simancol"....
A mania de limpar a boca na toalha da mesa; o bom gosto musical...o gosto por religião....Roberto Carlos...Cascatinha e Inhana...Beatles...roça...livros...Torresmo, cachaça e violão....

Contrariando a teoria Freudiana, meu pai ainda é o "meu herói".....
Feliz Aniversário Pai!!
Anseio para ti um labirinto de vida pela frente: muito desejo, loucura, luta e novidade; ao mesmo tempo, tranquilidade, serenidade, sonho e saudade para você....(porque uma vida feliz é também sinônimo de saudade...)

Amo você!
A música a seguir é uma homenagem a meu pai...e a sua "terribilidade"....(isto eu herdei dele, e afirmo que é para quem pode, não para quem quer...rsrs)

"Eu sou terrível
E é bom parar
Com esse jeito de provocar
Você não sabe
De onde venho
O que eu sou
Nem o que tenho
Eu sou terrível
Vou lhe dizer
Que ponho mesmo
Pra derreter
Estou com a razão no que digo
Não tenho medo nem do perigo
Minha caranga é máquina quente
Eu sou terrível
E é bom parar
Porque agora
Vou decolar
Não é preciso nem avião
Eu vôo mesmo aqui no chão
Eu sou terrível
Vou lhe contar
Não vai ser mole
Me acompanhar
Garota que andar do meu lado
Vai ver que eu ando mesmo apressado
Minha caranga é máquina quente
Eu sou terrível, eu sou terrível..."
(Eu Sou Terrível - Roberto Carlos)

------------
No mais...cá estou com a minha nova "quase vida-adulta."
Essa semana vai ser bem especial, atípica...e eu só espero ter paciência para enfrentá-la sem surtar.....Depois escreverei sobre, quando tiver um tempinho.....

Abraço!

sábado, 13 de março de 2010

Diálogo nada pessoal

- Se eu fosse você, comprava uma bicicleta e ia pro samba. Nada pessoal.



"Você roubou meu sossego.
Você roubou minha paz!
Com você eu vivo a sofrer...
Mas sem você vou sofrer muito mais!
[...]
Já não é amor!Já não é paixão!
O que eu sinto por você é obsessão!"
(Obsessão - Orquestra Imperial)

quarta-feira, 10 de março de 2010

GUERRA DOS SEXOS [...no tempo do Rei Herodes]



"Mais uma vez, Maria de Magdala quis voltar àquela curiosidade de saber da vida do amado, mas Jesus mudava de conversa, respondia, por exemplo:

Jesus: - Entro no meu jardim, minha irmã, minha esposa, colho a minha mirra e o meu bálsamo, como o favo com o meu mel e bebo o meu vinho com o meu leite....

E, tendo-o dito tão apaixonadamente, logo passava da recitação do versículo ao acto poético.

Maria de Magdala: - Em verdade, em verdade te digo, querido Jesus, assim não se pode conversar...."


[ SARAMAGO,José. O Evangelho segundo Jesus Cristo].


Obs: Certas coisas não mudam.

terça-feira, 9 de março de 2010

"O outro"


"Eu não sou eu nem sou o outro,
Sou qualquer coisa de intermédio:
Pilar da ponte de tédio
Que vai de mim para o Outro."

[Mário de Sá Carneiro. Lisboa, Fevereiro de 1914.]