quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Como Dois e Dois...


Como Dois e Dois
Roberto Carlos
Composição: Caetano Veloso

Quando você
Me ouvir cantar
Venha não creia
Eu não corro perigo
Digo, não digo, não ligo
Deixo no ar
Eu sigo apenas
Porque eu gosto de cantar...

Tudo vai mal, tudo
Tudo é igual
Quando eu canto
E sou mudo
Mas eu não minto
Não mintoEstou longe e perto
Sinto alegrias
Tristezas e brinco...

Meu amor!
Tudo em volta está deserto
Tudo certo
Tudo certo como
Dois e dois são cinco...

Quando você
Me ouvir chorar
Tente não cante
Não conte comigo
Falo, não calo, não falo
Deixo sangrar
Algumas lágrimas bastam
Prá consolar...

Tudo vai mal
Tudo, tudo, tudo, tudo
Tudo mudou
Não me iludo e contudo
A mesma porta sem trinco
Mesmo teto, mesmo teto
E a mesma lua a furar
Nosso zinco...

Meu amor!
Tudo em volta está deserto
Tudo certo
Tudo certo como
Dois e dois são cinco
Meu amor! Meu amor! Meu amor!
Tudo em volta está deserto
Tudo certo
Tudo certo comoDois e dois são cinco...

sábado, 26 de dezembro de 2009

Há seis anos...


São Paulo, 26 de dezembro de 2003.

Cleiton;

Tudo bom?

Espero que sim...

Bom, aqui está tudo bem, graças a Deus! Não vejo a hora desse ano terminar...2003 foi sem dúvida um “chute no saco”...

Mas acho que o próximo Ano será melhor...depois de um ano ruim, sempre vem um ano bom!

Tenho algumas novidades:

- terminei o colegial, finalmente!
- Ano que vem quero fazer cursinho; decidi prestar Medicina...não sei como hahaha! Mas vou tentar.....
- Estou namorando....haha.....
Sei lá; não to muito empolgada, mas vamos ver o que dá. O nome dele é Rafael, é um dos meus melhores amigos!

....acho que é só!

Te desejo tudo de bom....
p/ você, p/ tia...

Esse ano Novo nos será um grande presente...você vai ver!

Um grande Beijo,

Amanda...

Obs – Mande um beijo para todos da conferencia!
Obs no 2 – Entregue esse cartão de Natal p/ D. Fulo!

Beijos...


quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Luzes Cotidianas (para o Natal 2009)

Havia certa expectativa diante dos sinais de cotidiano que a cidade projetava em seus transeuntes. Expectativa não tão capitalista quanto se imaginava; vivia-se a doce espera de um não sei o quê, surgida nos corações desavisados dos que estavam perto da rodoviária velha, assistindo a cidade nascer de camarote. Estávamos lá, eu e o mundo.

Nascia-se com a cidade, para um mundo comum, que de tantos dias iguais fazia-se diferente naquela manhã cinza e ensimesmada de claridade cotidiana: As luzes. O lixo espalhado pelas calçadas, esquinas, sarjetas: As luzes; O cansaço dos camelôs, montando tendas de sonhos baratos e consumíveis: As luzes; o ponto de ônibus vazio: As luzes; O novo homem sempre-amado, sério atrás dos óculos novos, apressado para estar junto de minha saudade: As luzes; pequena cidade-elefante onde já existi: As luzes; O messias enfeitiçado ornamentava o templo de sua mãe, no seio da Castelo Branco com flores mortas, garrafas, delírios, transgressões e infância - As luzes.

Eu sonhava luzes. Luzes que manipulavam os meus desejos, ainda que fossem tão meus (meus e de toda aquela gente que sofre, que é mortal, mas que ornamentava a imagem de Nossa Senhora junto do messias transgressor na Castelo Branco).

Tenho preguiça de ver o que as pessoas vêem; eu olhava para a rodoviária em busca de qualquer sinal de morte, mas só havia vida....e eu já não queria estar ali porque sentia saudades do útero materno. Eu estava sendo parida, e doía saber que nasceria para aquele mundo tão humano, tão cheio de gente à espera de partidas.

Vencia a morte o menino Deus: Nós nascíamos mais um dia, e de tanto insistir, viveríamos mais um Natal.

Em qualquer parte da rodoviária, percebiam-se desejos diferentes emanados dos corações das pessoas. Os bêbados, os loucos, os marginalizados, os obscuros – toda essa gama de gente, da qual eu era excluída, incumbia-se de iluminar às vidas de todas as outras pessoas adormecidas, com um encanto místico e profético: os pobres, os bêbados, os loucos, as crianças, os velhos, os sofredores, os esquecidos, os imundos e os abandonados – os místicos.

Há sete anos que o Natal me fala de um menino Jesus tão lindo que ficou lá longe, guardado numa história de carochinha. Esse menino Jesus tinha os olhos verdes que de tão claros refletiam o céu daquela roça esquecida no meu sonho. Tombo.

Da Cachoeira, eu o via: Moreno. Sorria de fazer inveja a qualquer esboço de felicidade. O menino Jesus do qual me recordo sentiu medo de sua paixão mas a viveu até o fim, ressuscitando em minha memória, no limite do terceiro dia. Nunca o esqueci, trago-o comigo, como uma fotografia velha de sete faces que me guardam e velam nos dias tristes. Um delicado patuá.

Nunca esqueci aquela despedia: eu, o menino Jesus e o anjo; eu, a capela velha e o abraço.

Estas recordações me surgiam enquanto esperava qualquer coisa acontecer na rodoviária velha. Observava lentamente os passantes e imaginava as lembranças que traziam consigo para este natal, bem como as esperanças que nutriam de um futuro bom.

Encarnava em cada uma daquelas vidas e recordações o menino Cristo, no dia de Natal.

O Natal nada mais é que um mistério cotidiano inventado pelos místicos do meu tempo, enfeitiçados por uma saudade de não sei o quê: os pobres, os bêbados, os loucos, as crianças, os velhos, os sofredores, os esquecidos, os imundos e os abandonados.

Deus menino que se apresenta como encarnação permanente, renovando-se em cada amanhecer e despedida, como a mais miserável vida humana, misteriosamente compreendida em início, eternidade e fim.

----------------------------------

(Amigos
Não gosto muito de Natal...Lembro-me constantemente do meu irmão Cleiton e de tantas outras pessoas neste dia...além de detestar as musiquinhas!! mas, de qualquer forma, desejo a todos vocês um dia muito feliz ao lado daqueles que vocês amam....Um Beijo!).

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Adolescente??? (Resposta aos Leitores....)




Para quem não sabe, Blog é um gênero virtual o qual fora criado para ser a uma espécie de diário eletrônico. Embora atualmente o BLOG tenha perdido um pouco da sua “função” original, visto que existem vários Blogs que agregam outros tipos textuais ,como o blog jornalístico, ainda é comum encontrarmos blogs que cumpram a sua função prima: a de ser um veículo em que se narram as experiências dos indivíduos e sua relação com o mundo. Como todo e qualquer bom diário, um texto assim denominado contem fragmentos da vida de seu criador: recortes, pedaços, retalhos – como uma colcha.

Alguns leitores tem questionado o fato deste blog ter se tornado um diário muito “adolescente”; ora, acredito que aqueles que assim acharem podem recorrer a lista à esquerda de vocês a fim de encontrarem “leituras” mais construtivas....mais políticas. O que tenho a dizer é que este Blog é um pequeno pedaço de coisas que vivo diariamente; e que ser liderança da Pastoral da Juventude não me exime de viver experiências em outros campos da vida....logo, gosto de partilha-las aqui, e acredito que este caráter hibrido é que tem feito a receita dar tão certo.

Ainda sobre o fato da adolescência, creio que esta é um período da vida do sujeito que pode “ressurgir” das cinzas diante de certas experiências específicas. Sinto-me uma adolescente diante de um numero infindável de coisas, assim como me sinto muito criança diante de certas experiências; sinto-me uma mulher frente a tantas situações, e uma senhora de idade para outras tantas.....acho tudo isso um privilégio na verdade; e creio que todos os seres humanos são assim...inconstantes. Sendo assim, leitores, eis a dica: há outros blogs mais interessantes, ok? Mais “maduros”.... Boa leitura!

Para os que ficam, resta-me dizer que já estou de férias e vivendo um período de muito tédio, mas que será ótimo, a longo prazo. São muitas as coisas as quais tenho que planejar e acolher como prioridade para o próximo ano......

Consegui a minha bolsa de iniciação científica; uma das coisas que mais queria, academicamente falando. A experiência como professora de Literatura e de Leitura e Produção de Texto também tem mostrado um mundo de coisas com as quais quero trabalhar e me dedicar.

Sentimentalmente falando, também estou muito feliz, e contente pela forma como tenho acolhido certas novidades.....Conviver com pessoas tão felizes e desencantadas como eu, tão humanas, tem me ajudado a esperar menos daqueles que amo, e simplesmente amar sem esperar muito em troca.

Na Pastoral, mais um ano que termina, e penso que o saldo é positivo. Fica a vontade de me doar mais no próximo ano, o qual sinto que será um ano “decisivo”.

Enfim, queridos...ando muito feliz, ouvindo Mercedes Sosa e jogando conversa fora pelos butecos Viçosenses e Barbacenenses.......Continuarei aqui, com o desejo de escrever, cada vez mais, sobre aquilo que entendo melhor...(ou não....): a minha vida.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Poética da Liberdade...



"Hoy vivirás despreciándome, tal vez sín soñar
Que lamento al no poderte tener
El dolor de no saber olvidar
...
Hoy estarás como nunca lejos mío..."
(Romance de Bairro - Mercedes Sosa)

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Sabotagem.....


Só de pensar que terei mais 3 meses de férias...
.....sinto uma felicidade infinita.............aff.................
...Ainda bem que, segundo as profecias apocalípteas, um típico sinal de fim de mundo é a rápida passagem do tempo....conto com isso....(com a passagem do tempo; não com o fim do mundo, obviamente).
F5 já não funciona; Nem colheita feliz.....
Resta-me ouvir Mutantes tomando suco de maracujá.....

domingo, 13 de dezembro de 2009

El Post muy piegas....


"Ay, soledad, de partir, de quedar

Del largo olvido.

corazón lastimado en soñar

Cielos fugitivos.

Solo un cantar,

Ay, soledad."

(Mercedes Sosa , Ay Soledad...)

(Melhor eu parar de ouvir esse cd.....)

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

A BOLSA.......?

....consegui!
Iniciação Científica 2010/2011 - FAPEMIG!! =)

domingo, 6 de dezembro de 2009

Patuá

Precisando me benzer....
Urgentemente....
Saravá...

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Aos que tem sede...

"O senhor...Mire e veja: o mais importante e bonito, do mundo, é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas - mas que elas vão sempre mudando. Afinam ou desafinam. Verdade maior. É o que a vida me ensinou. Isso que me alegra, montão. E, outra coisa: o diabo é às brutas; mas Deus é traiçoeiro." (Grimarães Rosa)

Travessia...

É tempo de travessia....
Quem puder, reze por mim e por todos os caminhantes...
Dia 08 de dezembro será um dia importante. Dia de definições, em muitos sentidos....
Quais caminhos se abrirão? - tempo de dúvidas...desertos...sertões.