domingo, 27 de maio de 2018

A desculpa do amor

                                Fonte: Carta Capital


O amor se desculpa por não amar.
Cansado, ansioso, melancólico e triste,
decidiu hibernar, atrofiar, anoitecer:
Negou a natureza de seus pais e avós,
de todos os seus tios, primos de primeiro e segundo grau: 
amar, amar, amar.

O amor se desculpa por ser sem-vergonha.
Passou o carnaval no Rio de Janeiro sem avisar,
cansado que estava de atender um celular:
Negou a natureza  de seus pais e avós,
de todos os seus tios, primos de primeiro e segundo grau:
doar, doar, doar. 

O amor se desculpa por mentir.
Fez pacto com o ódio, escondido e às avessas,
longe que estava da lucidez, preguiça de presença:
Negou a natureza  de seus pais e avós,
de todos os seus tios, primos de primeiro e segundo grau:
perdoar, perdoar, perdoar.

O amor se desculpa por pedir o divórcio.
Achou no dicionário o vocábulo elegante,
solução emergencial para os problemas que muitos de seu sangue viveram:
Negou a natureza de seus pais e avós,
de todos os seus tios, primos de primeiro e segundo grau:
renascer, renascer, renascer.

...

A corda com nó frouxo fez chegar ar novo ao coração do amor. 
Mudou-se de cidade, identidade e profissão.
Fugiu, escafedeu-se, partiu (corações):
Aceitou a natureza dos ancestrais de todos os graus,
e de todas as castas e nações:
poemizou-se. 








7 comentários:

  1. Gostei do poema... ��

    ResponderExcluir
  2. hahah, melhor amiga não vale!
    é só uma baladinha medieval para uma tarde de domingo....beijo!

    ResponderExcluir
  3. Obrigada, querido Paulo! Foi apenas uma tentativa de balada medieval, lembrando os nossos cancioneiros....não ficou bom, mas valeu a tentativa rsrs...Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Volta a escrever, volta a falar de coisas que habitam outros níveis da sua existência. Faz a gente sonhar!

      Excluir